Asociación de Editoriales Universitarias de América Latina y el Caribe

Previous
Next

Repositórios digitais institucionais

Sabine Lumbreras*

Por que ainda observamos que alguns autores não estão muito interessados ​​em ter sua produção científica ou intelectual incluída em um repositório institucional? Como convencê-los de que o repositório institucional pode ser um veículo eficaz para visibilizar sua produção científica e intelectual?

Em primeiro lugar, podemos divulgar o propósito, os objetivos e o esforço comunitário estabelecido em nível nacional, que por sua vez responde aos esforços internacionais de acesso aberto à produção científica. Esse esforço se expressa em padrões para o tratamento da informação, plataformas tecnológicas interoperáveis ​​e sistemas nacionais de controle e difusão de informação científica e tecnológica.

Em segundo lugar, devemos informar quais são os possíveis benefícios a serem obtidos tanto para os autores quanto para a instituição e a sociedade.

As universidades se beneficiam com o aumento da visibilidade de sua produção científica e melhoram sua posição nos rankings que atribuem pontos ao número de artigos publicados em revistas indexadas.

Os autores devem saber que o repositório institucional permite incluir todos os tipos de documentos: teses, artigos de revistas, capítulos de livros, livros completos etc., o que os beneficia diretamente porque torna suas pesquisas visíveis entre seus pares em todo o mundo, favorece a consulta e leitura de suas publicações, processos que geram maior número de citações e, por ende, incrementam o conhecido fator de impacto.

A partir da experiência em explicar os benefícios do repositório aos autores, constatamos que muitos deles desconhecem a correta gestão de seus direitos autorais. Por exemplo, eles desconhecem que diferentes versões de seu artigo ou paper são geradas durante o processo de publicação e que algumas delas podem ser distribuídas pelos repositórios, desde que sejam levadas em conta as condições dos editores.
Dentro das versões que podem ser depositadas nos repositórios institucionais temos as
seguintes:

Preprint: é a versão preliminar de um artigo ou paper submetido à consideração de um editor para revisão e eventual publicação. Esta versão oferece imediatismo e pode ser consultada por estudantes, pesquisadores e interessados ​​antes da publicação em alguma revista, geralmente de acesso aberto.

Postprint: é a versão aceita pelo editor após ter sido avaliada favoravelmente por um ou mais especialistas no tema durante o processo de revisão, ou seja, o caminho percorrido pela versão preliminar até incorporar as alterações realizadas a pedido ou proposta pelos revisores. Esta é a versão mais próxima da versão final publicada pelo editor e também é conhecida com a denominação de como manuscrito aceito.

Versão final: é a versão final publicada pelo editor após passar pela maquetação ou diagramação, processos nos quais são aplicados os padrões de qualidade editorial, que também incluem correção de estilo.

É importante notar que, dependendo das condições estabelecidas pelos editores das revistas, será possível ou não depositar essas versões em um repositório institucional.

No caso das revistas de acesso aberto, não haverá nenhum inconveniente em depositar a versão final publicada do artigo no repositório institucional porque existem licenças de distribuição que o permitem. No entanto, isso não é possível em revistas pagas ou por assinatura.

Na verdade, neste segundo tipo de revistas, a alternativa é o depósito da versão postprint ou versão aceita, para a qual devem ser respeitadas as condições de distribuição autorizadas pelo editor. É crescente o número de editoras comerciais que autorizam a divulgação dessas versões em repositórios institucionais. As condições que eles impõem são, por exemplo, reconhecer a fonte do editor por meio de uma citação, vincular o manuscrito aceito com a versão do editor por meio de um identificador persistente como o DOI (digital object identifier), incluindo a licença de distribuição concedida pelo editor e o mais importante, tornar público o postprint em uma data posterior à versão final publicada ou à versão do editor, inclusive, em alguns casos, após um longo período de tempo. Esta última condição descrita é conhecida como embargo.

Como os autores podem saber quais são as condições da editora da revista em que seu artigo será publicado?
Definitivamente, a primeira fonte é a editora. As informações podem ser encontradas no site da revista ou da editora, especificamente nas seções dedicadas às políticas de acesso aberto ou dos direitos autorais. No entanto, existe o Sherpa Romeo (https://v2.sherpa.ac.uk/romeo/), um recurso online que agrega e apresenta políticas de arquivo de acesso aberto e resumos de direitos autorais das editoras e revistas de todo o mundo, revista por revista.

As bibliotecas assumiram o desafio de gestionar os repositórios institucionais e caberá
também a elas orientar adequadamente os autores quanto aos seus direitos.

*Bibliotecária responsável pelo Repositório Institucional da Universidade ESAN

Compartir este contenido
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
  • ¡Únete a la comunidad de editoriales universitarias más grande de América Latina y El Caribe!

    Un espacio para crear alianzas, promover el conocimiento y alcanzar nuevas audiencias.